VOLTAR FILMES 27

 
   

A GRANDE SEDUÇÃO
REYMOND BOUCHARD & DAVID BOUTIN

Os habitantes da simpática mas pequena ilha de Sainte-Marie la Mauderne sofrem com o fim da atividade pesqueira na ilha.

Uma fábrica de plásticos passa a ser a salvação da dignidade perdida dos moradores do local, mas a indústria impõe uma condição para a instalação da fábrica: um médico residente na ilha.

A população local passa a fazer de tudo para conquistar as graças de um médico.

Quando o Dr. Lewis chegar à ilha, eles farão de tudo para convencê-lo que Sainte-Marie la Mauderne é o melhor lugar do mundo para se viver...

Filme de encerramento do Festival de Cannes 2003
Apresentação especial no Festival de Toronto 2003
Vencedor do Prêmio da Audiência do Festival de Sundance 2004

Vencedor de 7 prêmios Claude Jutra (O “Oscar” da província de Quebec), incluindo de Melhor Ator Coadjuvante (Pierre Collin), Melhor Atriz Coadjuvante (Clémence DesRochers) e Melhor Fotografia.

Indicado a 11 Genies (O “Oscar” Canadense), incluindo Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro.

Mas não deixe de ver os erros também.

Diretor: Jean-François Pouliot
Escritor: Ken Scott

Gênero: Comédia / Drama

Arts Films

Título Original: La Grande Séducion
Tempo: 109 minutos
Cor: Colorido
Ano de Lançamento: 2003 - Canadá - Lançamento Dia 26 de novembro de 2004.
Recomendação: 14 anos

ELENCO

REYMOND BOUCHARD .... Germain Lesage
DAVID BOUTIN .... Christopher Lewis
BENOÎT BRIÈRE .... Henri Giroux
PIERRE COLLIN .... Yvon Brunet
LUCIE LAURIER .... Ève Beauchemin
BRUNO BLANCHET .... Steve Laurin
RITA LAFONTAINE .... Hélène Lesage
CLÉMENCE DesROCHERS .... Clothilde Brunet
DONALD PILON .... Monsieur Dupré
JEAN-PIERRE GONTHIER .... Mayor Réal J
KEN SCOTT .... Richard Auger
MARIE- FRANCE LAMBERT .... Sylvie Auger

FICHA TÉCNICA

Produção .... ROGER FRAPPIER
Produção .... LUC VANDAL
Fotografia .... ALLEN SMITH
Desenho de Produção .... NORMAND SARRAZIN
Figurinos .... LOUISE GAGNÉ
Montagem .... DOMINIQUE FORTIN
Música .... JEAN-MARIE BENOÎT

PRODUTORAS

DISTRIBUIDORA

Art Films

ERROS

1. Quando um dos homens está fazendo a marcação do campo de críquete, há um vento infernal e a cal que ele está usando fica toda espalhada, formando um campo todo irregular. Depois, quando aparecem eles jogando nesse campo, em um take feito de cima, o campo é perfeitamente reto. É absurdamente gritante a diferença. (Contribuição de Luciele Ceconello - Fã de Carteirinha)

::Enviar informações deste filme::
Clique aqui para enviar erros e comentários apenas deste filme.

PROMOÇÃO ENCERRADA

A Arts Films e o Falha Nossa convidaram você para se mudar para esta ilha.
Eles mandaram um e-mail respondendo: O que mais lhe seduz?
E concorreram a prêmios exclusivos e inéditos do filme. Confira os prêmios e o Regulamento.

ao 10º  lugar
1 Par de ingressos para ver o filme.

Álvaro Antunes - Curitiba / PR
André Luiz Viana Nery da Silva - Niterói / RJ
Andréa Ribeiro dos Santos - São Paulo / SP
Aryaednyr Polmartney Lima Ferreira Borges - Vila Velha / ES
Caroline Fernandes - São Paulo / SP
Caroline Uchoas Rodrigues - São Paulo / SP
Claudia Aguiar Nóbrega - São Paulo / SP
Cristiano da Silva Gonçalves - Hortolândia / SP
Fabiana Bahia de Lima e Silva - Salvador / BA
Zelindo Celestiano Madureira - Curitiba / PR

A Arts Films e o Falha Nossa agradecem a participação de todos.

::.. ART FILMS ..::

IMAGENS E CURIOSIDADES

SEGREDOS DO FILME QUE BATEU AS INVASÕES BÁRBARAS

Lançado no verão de 2004 na parte francesa do Canadá, A Grande Sedução superou a bilheteria do super sucesso local - e de tantos outros países, como o Brasil - As Invasões Bárbaras. Vendeu mais ingressos que O Senhor dos Anéis e Matrix Reloaded, ultrapassando a marca dos oito milhões de dólares. “A trajetória deste filme tem aspectos mágicos desde o seu início”, acredita o diretor Jean-François Pouliot. Uma delas é que, atendendo aos pedidos do roteirista Ken Scott, os produtores toparam filmá-lo na ilha de Harrington Harbour, no Golfo de Saint Laurence, costa de Quebec, local acessível apenas por helicóptero ou avião – o que aumentou os custos da produção em US$ 500 mil! Mas um dos grandes charmes do filme é justamente este: quando as 60 pessoas da produção foram adotadas pelos 300 moradores de Harrington Harbour – com vários deles no papel de atores e figurantes – o filme adquiriu autenticidade. O que, aliado ao original roteiro de Ken Scott e as excelentes atuações, explica a sedução do filme sobre o público.