VOLTAR FILMES 32

 
   

DIDI QUER SER CRIANÇA
RENATO ARAGÃO

Didi (Renato Aragão) trabalha como provador de balas em uma pequena fábrica de doces tradicionais, que enfrenta a forte concorrência de uma outra fábrica, que produz doces usando corantes e ingredientes artificiais que fazem mal às crianças.

Além disto a pequena fábrica em que Didi trabalha enfrenta a mídia da concorrência, que produz comerciais voltados para as crianças. Apesar de tentar convencê-las de que balas com ingredientes artificiais fazem mal elas não ouvem Didi, já que criança não ouve adulto.

À noite Didi pede ajuda aos santos Cosme (Rafael de Castro) e Damião (Daniel de Castro) e tem seu desejo atendido na figura de dois homens maltrapilhos, a quem Didi ajuda. Eles dão a Didi um saco de balas mágicas, que têm o poder de transformar quem as come em criança.

É a grande chance que Didi esperava para poder enfim convencer as crianças a rejeitarem balas artificiais e recuperar o espírito de Cosme e Damião.

Mas não deixe de ver os erros também.

Diretores: Alexandre Boury & Reynaldo Boury
Escritores: Paulo de Andrade & Ricardo Aragão

Baseado no argumento de Renato Aragão e Paulo de Andrade.

Gênero:
Infantil

Site Oficial Brasil: http://www.didiquersercrianca.com.br/

Columbia TriStar do Brasil

Título Original: Didi Quer Ser Criança
Tempo: 115 min
Cor: Colorido
Ano de Lançamento: 2004 - Brasil - Estréia dia 9 de julho de 2004.

Recomendação: Livre

ELENCO


Renato Aragão .... Didi
Werner Schünnerman .... Armando
Cláudio Heinrich .... Felipe
Fernanda Lima .... Sandrinha
Didi Wagner .... Adriana
Daniella Cicarelli .... Kátia
Pedro Malta .... Felipe - criança
Bruno Cariati .... Didi - criança
Maria Luísa Rodrigues .... Sandrinha - criança
Paulo Ricardo Corrêa .... Juquinha
Elias Gleizer .... Seu Tião
Rafael de Castro .... Cosme
Daniel de Castro .... Damião
Charles Paraventi .... Prof. Muller
Raphael Molina .... Pipoqueiro
Jacaré .... Segurança do parque
Marcelo Augusto .... Segurança do parque
Bianca Rinaldi .... Mulher da rifa
Fábio Villa Verde .... Motorista da ambulância

FICHA TÉCNICA

Produção .... Diler Trindade
Música .... Mú Carvalho
Fotografia .... Cézar Moraes
Desenho de Produção .... Beto Bruno
Direção de Arte .... Paulo Flaksman
Figurino .... Sônia Soares
Edição .... João Paulo Carvalho

PRODUTORAS

Diler & Associados
Globo Filmes
RA Produções

DISTRIBUIDORA

Columbia TriStar do Brasil

ERROS

1. Quando o ator Renato Aragão se transforma numa criança, sua voz fica um pouco parecida com a de adulto, mas quando Pedro Malta se transforma em adulto, sua voz não fica nada parecida. (Contribuição de Tulio Henrique - Minas Gerais - Fã de Carteirinha)

2. Quando Didi e Filipinho estão no depósito da Pirulito Dourado, Didi pega os saquinhos de tinta e podemos ver uma sombra na caixa que está ao lado deles. (Contribuição de Elvio Mingoti - Fã de Carteirinha)

::Enviar informações deste filme::
Clique aqui para enviar erros e comentários apenas deste filme.

PROMOÇÃO ENCERRADA

A COLUMBIA TRISTAR e o Falha Nossa convidaram você para voltar a ser criança!
Eles mandaram um e-mail respondendo: Qual foi sua maior aventura quando criança?
E concorreram a prêmios exclusivos e inéditos do filme. Confira os prêmios e o Resultado.

1º ao 10º lugar
1 par de ingressos, 1 camiseta infantil, 1 boomerang e 1 bola exclusivos do filme.

Luiz Felipe Mazuroski - Curitiba / PR
Amanda Regina Gonçalves - Curitiba / PR
Igor da Silva - Bauru / SP
Cíntia Cardozo de Mello - São Luís / MA
Mayara Gomes Serra de Azevedo - Rio de Janeiro / RJ
Kelly Sampaio Vianna da Conceição - Rio de Janeiro / RJ
Angelica Parras Luque Simões - Guarulhos / SP
Renata Pimenta - Rio de Janeiro / RJ
Renato de Jesus Alves - Embu das Artes / SP
Solange Bender - Novo Hamburgo / RS

A Columbia e o Falha Nossa agradecem a participação de todos.

::.. COLUMBIA TRISTAR ..::

IMAGENS E CURIOSIDADES

SINOPSE COMPLETA

Didi trabalha como provador de balas em uma pequena fábrica de doces tradicionais. Com sua alma infantil, ele sabe o que as crianças gostam. Só que a fábrica está passando por dificuldades porque a concorrência utiliza a mídia para vender balas cheias de corantes e ingredientes artificiais que fazem mal às crianças. O vilão, dono dessa fábrica, costuma dizer que criança só gosta de porcaria mesmo. Didi, que vive no meio das crianças da vizinhança, tenta convencê-las de que balas artificiais fazem mal. Mas mesmo se comportando como um verdadeiro crianção, seus amiguinhos não o escutam, pois ele é adulto. Criança não ouve adulto. Além disso, as propagandas falam diretamente para elas, fazendo os doces tradicionais parecerem sem graça. Não só a pequena fábrica está para fechar, como o próprio espírito de Cosme e Damião está morrendo.

Didi, que é devoto dos santos, reza pedindo ajuda. Seu desejo é atendido quando dois sujeitos maltrapilhos pedem auxílio. Eles não têm o que comer ou onde dormir. Vão até a fábrica do vilão e são humilhados. Quando vão à nossa fábrica, Didi os acolhe de braços abertos e os convida a dividir seu pequeno cômodo nos fundos do galpão. Agradecidos, eles dão para Didi um saquinho de balas de Cosme e Damião. São balas mágicas que têm o poder de transformar Didi em criança. Só assim ele vai poder convencer seus amiguinhos a rejeitar as balas artificiais e resgatar o verdadeiro espírito de Cosme e Damião. Afinal, criança só escuta criança. E assim, de criança em criança, eles formarão uma grande corrente.

Depois que Didi chupa a primeira bala do saquinho mágico, ele se transforma em criança e apaixona-se pela menina Sandrinha, filha do vilão, dono da fábrica concorrente.

Didi vai ajudar uma criança a soltar uma pipa presa no telhado do galpão. Para isso tem que subir por dentro do prédio, em uma escada velha. Ele consegue soltar a pipa, deixando o garoto contente. Mas, quando vai descer, pisa em falso e cai de uma altura de 10 metros. No hospital, o monitor cardíaco dá seus suspiros finais. A máquina anuncia a morte de Didi. O médico dá a notícia trágica para todos que esperam. Em meio à tristeza geral, os dois andarilhos, despercebidos, entram na UTI e voltam com Didi vivo.

O vilão, dono da fábrica concorrente, tem outros planos. Junto com o químico sem escrúpulos, que inventa balas cada vez mais nocivas à saúde, ele pretende tomar conta da pequena fábrica para demoli-la e expandir seus negócios. Eles inventam, então, um componente químico que triplica a produção sem muito custo adicional. Só que as balas não são testadas e Sandrinha ingere uma e fica muito doente. Desesperado, ele chama o médico. Mas o atendimento demora e ele sai de carro para levá-la para o hospital. O carro morre justamente em frente à nossa fábrica e não pega de jeito nenhum. Ele olha para a filha, desfalecida, à beira da morte. Acaba tendo que bater à porta da pequena fábrica, com a filha nos braços, onde Didi e os dois sujeitos salvam a vida da menina. Agradecido e arrependido por sua ganância, ele resolve parar de fazer balas ruins e se unir à pequena fábrica para só fazer doces e balas tradicionais, sem aditivos ou corantes.

No final, uma grande festa é montada para trazer de volta o verdadeiro espírito de Cosme e Damião. A expectativa é grande, pois não se sabe se as crianças se convenceram. Mas, para surpresa geral, as crianças chegam em bandos, provando que a festa tradicional está mais viva do que nunca. E os maltrapilhos que Didi ajudou revelam ser os verdadeiros santos Cosme e Damião.

Font: Columbia